Tanto a cisplatina quanto do cetuximab melhoram a sobrevida quando empregados isoladamente em combinação com a radioterapia em pacientes com câncer da cabeça e do pescoço avançado. Tratamento quimioradioterápico com a associação da cisplatina com o cetuximab foi comparado a cisplatina isolada no estudo fase III RTOG 0522. A combinação da cisplatina com o cetuximab não determinou melhora da sobrevida livre de progressão ou da sobrevida global comparada com a cisplatina isolada. O tratamento quimioradioterápico usando a combinação da cisplatina com o cetuximab não é indicado fora de um ensaio clínico formal.