Tratamento adjuvante com a capecitabina após tratamento quimioterápico neoadjuvante nas pacientes portadoras de câncer da mama HER2 negativo

Em um ensaio clínico randomizado com aproximadamente 900 pacientes portadoras de câncer da mama HER2 negativo e doença residual após quimioterapia antineoplásica neoadjuvante,as pacientes tratadas com a capecitabina comparadas com placebo apresentaram taxas de sobrevida livre de doença a cinco anos mais altas(74% versus 68%)e de sobrevida global também(89% versus 84%).Uma análise de subgrupo sugeriu que esses achados foram determinados primariamente pelos resultados obtidos com doença triplo negativa(receptor de estrógeno e progesterona negativo e HER2 negativo).Dado esses resultados,é sugerido o uso da capecitabina adjuvante nas pacientes com câncer da mama residual e HER2 negativo após QT neoadjuvante,embora a observação seja também aceitável devido as toxicidades ligadas ao uso da capecitabina adjuvante.

2017-06-26T11:02:20+00:00

Deixar Um Comentário