Olaparibe no tratamento de mulheres com câncer epitelial do ovário recidivado e com mutação do BRCA ainda sensível a um sal de platina

As mulheres com câncer epitelial do ovário que recidivam com seis ou mais meses após tratamento com um sal de platina são caracterizadas como tendo doença sensível a um sal de platina.Para estas pacientes o tratamento usual consiste de associação com um sal de platina.Naquelas pacientes com câncer epitelial do ovário associado a mutação do BRCA,o olaparibe é uma razoável opção terapêutica de manutenção(isto é,após ter-se alcançado uma resposta com a QT com uma associação com um sal de platina).Esta afirmativa é baseada em um ensaio clínico randomizado que comparou olaparibe versus placebo como tratamento de manutenção em mais de 300 mulheres com câncer epitelial do ovário sensível à um sal de platina.Comparado com o grupo que utilizou placebo, as pacientes tratadas cujos tumores possuíam mutação do BRCA e tratadas com o olaparibe apresentaram uma melhora significativa na sobrevida livre de progressão e forte tendência para melhora na sobrevida global.Estas informações serviram de base na recomendação da aprovação com esta indicação na Europa.Entretanto,o olaparibe com este uso ainda não aprovado nos Estados Unidos.

2017-01-31T16:02:46+00:00

Deixar Um Comentário