Em 2006 o lenalidomide,uma dorga análoga da talidomida,recebeu aprovação do FDA para tratamento de pacientes portadores de mieloma múltiplo que já tivessem sido submetidos a pelo menos uma ciclo com outra droga.Em 2015 o seu uso foi expandido para uso em combinação com a dexametasona em pacientes virgens de tratamento sem indicação de transplante autólogo de células tronco periféricas.O lenalidomide também é usada em pacientes portadores de síndromes mielodisplásicas e linfoma de células do manto.A aprovação atual foi baseada em dois ensaios clínicos randomizados avaliando a eficácia e segurança do tratamento de manutenção com o lenalidomide em pacientes portadores de mieloma múltiplo após transplante autólogo de células tronco periféricas(CALGB 100104 e o IFM 2005-02).Esses ensaios clínicos demonstraram uma vantagem na sobrevida livre de progressão de 15 meses no estudo CALGB e de 18 meses no estudo IFM em pacientes tratados com lenalidomide comparado a pacientes que fizeram uso de placebo.A sobrevido global média foi de 111 e 106 meses para o pacientes tratados com lenalidomide com parado com 84 e 88 meses nos pacientes que fizeram uso do placebo no estudo CALGB e no estudo IFM,respectivamente.