As mulheres com uma história de câncer epitelial do ovário que recidivam seis meses ou mais após o tratamento de primeira linha,são consideras portadoras de câncer epitelial do ovário ainda sensível a um sal de platina(cisplatina ou carboplatina).Para estas pacientes,o tratamento standard consiste em repedir a associação que contenha um sal de platina.Se existe alguma vantagem na incorporação de um terceiro agente ainda não está claro.O ensaio clínico GOG 213 avaliou se a QT com ou sem o bevacizumab elevaria significativamente a sobrevida destas pacientes.Como apresentado no congresso de 2015 da Associação de Oncologia Ginecológica,o bevacizumab associado à QT aumenta significativamente a sobrevida livre de progressão mas sem um aumento com significação estatística da sobrevida global.Além disso foi também observado um aumento da toxicidade,inclusive um alta taxa de sérios eventos gastrointestinais.Embora possa ser mais apropriado a combinação do bevacizumab com QT nas mulheres com doença resistente a um sal de platina(recidiva da doença com menos de seis meses após o uso de um sal de platina),o bevacizumab associado a QT é uma opção para mulheres com câncer do ovário ainda sensível a um sal de platina,porém,requer uma consideração individualizada do risco versus benefício.