O ensaio clínico RADIANT 4 comparou o tratamento com o everolimus versus placebo em pacientes portadores de tumor neuroendócrino avançado não funcional do pulmão ou de origem gastrointestinal.O everolimus foi associado a uma melhora significativa da sobrevida media livre de progressão(11 meses versus 3,9 meses).Eventos adversos foram principalmente grau 1 ou 2 e incluíram estomatite,diarreia,edema periférico,fadiga e rash cutâneo.Baseando-se nestes resultados,o everolimus foi aprovado em fevereiro de 2016 pelo FDA(Food and Drug Administration)para o tratamento de adultos portadores de tumor neuroendócrino não funcional bem diferenciado de origem pulmonar irressecável em progressão,localmente avançado ou metastático.Em alguns casos o everolimus é uma opção apropriada de primeira linha para os pacientes cujos tumores não possuem receptor da somatostatina definido pelo exame OctreoScan.Embora o estudo RADIANT 4 tenha excluído o uso concomitante de análogo da somatostatina com o everolimus,esta combinação é segura em pacientes com tumores neuroendócrinos do trato digestivo e representa uma escolha razoável no tratamento de segunda linha dos tumores neuroendócrinos do pulmão após falha de um análogo da somatostatina