A resposta do osteossarcoma à quimioterapia neoadjuvante é um grande determinante do resultado clínico com taxas de sobrevida a 5 anos mais alta nos pacientes com uma boa reposta. Tal fato despertou o interesse classificar a qualidade da resposta à quimioterapia de acordo com a resposta histológica inicial. No estudo EURAMOS-1, mais de 700 pacientes com boa resposta histológica à quimioterapia neoadjuvante foram randomizados em dois grupos após dois ou mais ciclos de QT neoadjuvante com o metotrexate em altas doses associado a doxorrubicina e a cisplatina. O primeiro grupo foi submetido a continuidade com a QT acima descrita associada ao Interferon e o segundo grupo com a QT isolada, por dois anos. Não houve benefício significativo com a adição do interferon na manutenção associado a QT. Portanto, o interferon alfa não pode ser considerado um procedimento terapêutico standard de manutenção nos pacientes com boa resposta histológica à QT neoadjuvante.